sexta-feira, outubro 10, 2008

Tudo cai, tudo tomba, derrocada pavorosa! Os versos de Florbela Espanca parecem muito atuais, mas têm a ver apenas com o pavoroso mal de ser sozinha.


Loucura

Tudo cai! Tudo tomba! Derrocada
Pavorosa! Não sei onde era dantes.
Meu solar, meus palácios, meus mirantes!
Não sei de nada, Deus, não sei de nada! ...

Passa em tropel febril a cavalgada
Das paixões e loucuras triunfantes!
Rasgam-se as sedas, quebram-se os diamantes!
Não tenho nada, Deus, não tenho nada! ...

Pesadelos de insônia, ébrios de anseio!
Loucura a esboçar-se, a enegrecer
Cada vez mais as trevas do meu seio!

Ó pavoroso mal de ser sozinha!
Ó pavoroso e atroz mal de trazer
Tantas almas a rir dentro da minha!

Florbela Espanca
(1894-1930)

Mais sobre Florbela Espanca em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Florbela_Espanca

2 comentários:

Tuany. disse...

Adoro esse poema... São poucos os comentários que faço, mas, sempre visito seu blog.

bjsssssss

dark angel disse...

muito bom este blog onde podemos nos deliciar qual várias poesias que mexem com alma.

PARABÉNS PELA INICIATIVA DE CRIAR ESTE BLOG
É LEGAL SE TIVER UM ESPAÇO DE CONTRIBUIÇÃO PARA NOVOS AUTORES OU SE JÁ TIVER QUE LEGAL.
BJS