terça-feira, outubro 07, 2008

Não sei se é amor que tens, ou amor que finges. O que me dás, dás-mo, tanto me basta, diz um resignado Ricardo Reis.


Não sei se é amor que tens


Não sei se é amor que tens, ou amor que finges,
O que me dás. Dás-mo. Tanto me basta.
Já que o não sou por tempo,
Seja eu jovem por erro.
Pouco os deuses nos dão, e o pouco é falso.
Porém, se o dão, falso que seja, a dádiva
É verdadeira. Aceito,
Cerro olhos: é bastante.
Que mais quero?

Ricardo Reis, um dos heterônimos de

Fernando Pessoa
(1888-1935)

Mais sobre Fernando Pessoa em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Pessoa

2 comentários:

pirilampia disse...

que prazer ler seu blog. aceitei o convite e voltarei sempre! linda coleção a sua! ;)

Rosana Costa de disse...

Adorei, amo poesias........