quinta-feira, outubro 16, 2008

Nos versos de Neruda, morre-se lentamente muitas vezes numa vida. E somente a ardente paciência fará com que conquistemos uma explêndida felicidade.


¿Quién muere?


Muere lentamente...
quien se transforma en esclavo del hábito,
repitiendo todos los días los mismos trayectos,
quien no cambia de marca,
no arriesga vestir un color nuevo
y no le habla a quien no conoce.

Muere lentamente...
quien hace de la televisión su gurú.

Muere lentamente...
quien evita una pasión,
quien prefiere el negro sobre blanco y los puntos sobre las íes
a un remolino de emociones,
justamente las que rescatan el brillo de los ojos,
sonrisas de los bostezos, corazones a los tropiezos y sentimientos.

Muere lentamente...
quien no voltea la mesa cuando está infeliz en el trabajo,
quien no arriesga lo cierto por lo incierto para ir detrás de un sueño,
quien no se permite por lo menos una vez en la vida,
huir de los consejos sensatos.

Muere lentamente...
quien no viaja,
quien no lee, quien no oye música,
quien no encuentra gracia en sí mismo.

Muere lentamente...
quien destruye su amor propio,
quien no se deja ayudar.

Muere lentamente...
quien pasa los días quejándose de su mala suerte
o de la lluvia incesante.

Muere lentamente...
quien abandona un proyecto antes de iniciarlo,
no pregunta de un asunto que desconoce
o no responde cuando le indagan sobre algo que sabe.

Evitemos la muerte en suaves cuotas,
recordando siempre que estar vivo
exige un esfuerzo mucho mayor
que el simple hecho de respirar.

Solamente la ardiente paciencia hará que conquistemos una espléndida felicidad.

Pablo Neruda
(1904-1973)

Mais sobre Pablo Neruda em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pablo_Neruda

5 comentários:

João Alvez Lago disse...

Antes de tudo, cabe um elogio ao esforço de publicar poemas. Realmente bacana.

E aproveitando a temática, venho aqui auto-promover-me -- enquanto a publicidade para minha finalidade é escassa, resta-me mesmo isto --:

www.nihilismoliquido.blogspot.com

blog de poemas de João Alvez Lago

André disse...

Este poema NÃO é do Neruda!!

suzi disse...

Esse Morre Lentamente não é do Neruda. É um 'poema' composto de fragmentos de uma crônica de Martha Medeios (A Morte Devagar) publicada em 2001 no livro Non-Stop: Crônicas do Cotidiano, pela L&PM.

Muito divulgado, como sendo do Neruda, mas pode dar uma pesquisada
que terá fontes seguras que é uma crônica da Martha.
Abraços

Anônimo disse...

Hummm... "A Morte Devagar" da Martha Medeiros é uma cópia (melhorada)???

JOSE ANTONIO LEAO RAMOS disse...

Nota do Editor:

Existe uma grande controvérsia sobre a autoria deste poema. Este poema foi indicado por um de nossos colaboradores que mantém a confiança em sua fonte.
Enquanto esta questão não ficar devidamente esclarecida - já consultamos a Fundação Pablo Neruda a respeito -, manteremos o poema no blog, atitude que adotamos desde o início em casos como este.

José Antonio Leão Ramos
Editor do Poemblog