segunda-feira, novembro 10, 2008

O que eu quero, o que eu amo, o que eu desejo em ti, é teu calor animal! É o que diz Mario Quintana em seu bilhete com endereço.


Bilhete com endereço

Mas onde já se ouviu falar
num amor á distância,
Num tele-amor ?!
Num amor de longe…
Eu sonho é um amor pertinho
Um amor juntinho...
E, depois,
Esse calor humano é uma coisa
Que todos - até os executivos - têm.
É algo que acaba se perdendo no ar,
No vento
No frio que agora faz…
Escuta!
O que eu quero,
O que eu amo,
O que eu desejo em ti

É teu calor animal!…

Mario Quintana
(1906-1994)

Mais sobre Mario Quintana em
http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Quintana

2 comentários:

Álvaro Andrade disse...

Muito bacana o blog!


Abraço!

**** disse...

CANÇÃO DO AMOR IMPREVISTO

Eu sou um homem fechado.
O mundo me tornou egoísta e mau.
E a minha poesia é um vício triste,
Desesperado e solitário
Que eu faço tudo por abafar.

Mas tu apareceste com a tua boca fresca de madrugada,
Com o teu passo leve,
Com esses teus cabelos...

E o homem taciturno ficou imóvel, sem compreender
nada, numa alegria atônita...

A súbita, a dolorosa alegria de um espantalho inútil
Aonde viessem pousar os passarinhos.