sexta-feira, novembro 21, 2008

Ao longo dos dias, caminhávamos devagar, pensando que a Inteligência é uma sombra da Beleza. Para Cecília Meireles, assim eram os dias felizes.

Os dias felizes

Os dias felizes estão entre as árvores como os pássaros:

viajam nas nuvens,

correm nas águas,

desmancham-se na areia.

Todas as palavras são inúteis,

desde que se olha para o céu.

A doçura maior da vida

flui na luz do sol,

quando se está em silêncio.

Até os urubus são belos,

no largo círculo dos dias sossegados.

Apenas entristece um pouco

este ovo azul que as crianças apedrejaram:

formigas ávidas devoram

a albumina do pássaro frustrado.

Caminhávamos devagar,

ao longo desses dias felizes,

pensando que a Inteligência

era uma sombra da Beleza.

Cecília Meireles

(1901-1964)

Mais sobre Cecília Meireles em

http://pt.wikipedia.org/wiki/Cec%C3%ADlia_Meireles

Um comentário:

Priscila Mondschein disse...

Gosto muito da poesia da Cecília Meireles. A sensibilidade dela faz com que possamos "ver" as palavras...
Bela escolha!