quinta-feira, novembro 13, 2008

Manoel de Barros escreveu 14 livros e deles está livrado. E confessa: noventa por cento do que escreve é invenção, só dez por cento que é mentira.


Auto-retrato


Ao nascer eu não estava acordado, de forma que
não vi a hora.
Isso faz tempo.
Foi na beira de um rio.
Depois eu já morri 14 vezes.
Só falta a última.
Escrevi 14 livros
E deles estou livrado.
São todos repetições do primeiro.
(posso fingir de outros, mas não posso fugir de mim).
Já plantei dezoito árvores, mas pode que só quatro.
Em pensamentos e palavras namorei noventa moças,
mas pode que nove.
Produzi desobjetos, 35, mas pode que onze.
Cito os mais bolinados: um alicate cremoso, um
abridor de amanhecer, uma fivela de prender silêncios,
um prego que farfalha, um parafuso de veludo etc etc.
Tenho uma confissão: noventa por cento do que escrevo é invenção;
só dez por cento que é mentira.
Quero morrer no barranco de um rio:
- Sem moscas
na boca descampada!

Manoel de Barros

Mais sobre Manoel de Barros em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Manoel_de_Barros

4 comentários:

Anna K. Lacerda disse...

E a vida é um isso e aquilo de coisas e não-coisas. Metade do que fomos, metade do que seremos.
E a presente nasce na beira de uma poesia!

Anônimo disse...

Muito Legal esse blog, adorei!
Visite nosso site:http://www.desentupidorasjpcuritiba.com.br/

antesdepensarqualquersentir disse...

oioi. Você, por gentileza, sabe em que livro do Manoel este poema, o "Auto-retrato", está publicado?
Grato!
:)

Anônimo disse...

O poema Auto-Retrato", foi publicado pela primeira vez no livro "Álbum de família", Ensaios Fotográficos, Editora Record, Rio de Janeiro, 2005.

O Editor