sexta-feira, maio 23, 2008

Manoel de Barros afirma em versos que a maior riqueza do homem é a sua incompletude. E nesse ponto se diz abastado, precisa ser Outros.


A maior riqueza do homem é a sua incompletude


A maior riqueza do homem
é a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como
sou - eu não aceito.
Não agüento ser apenas um
sujeito que abre
portas, que puxa válvulas,
que olha o relógio, que
compra pão às 6 horas da tarde,
que vai lá fora,
que aponta lápis,
que vê a uva etc. etc.
Perdoai
Mas eu preciso ser Outros.
Eu penso renovar o homem
usando borboletas.


Manoel de Barros

Mais sobre Manoel de Barros em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Manoel_de_Barros

3 comentários:

Jac. disse...

E é isso que nos enriquece, nos acrescenta! Nunca estarmos acabados...ir juntando, pela vida,
uma multidão de nós mesmos!!!

Emilie Andrade disse...

Maravilhoso Manoel! Bv sabe me dizer de qual livro é esse poema?
Abraço!

JOSE ANTONIO LEAO RAMOS disse...

Este poema faz parte do livro "Retrato do artista quando coisa", Editora Record, 2007.
O Editor