terça-feira, maio 06, 2008

É a chuva, é o vento, é o medo, é a treva, é o tédio. Assim, Guilherme de Almeida sente que é tudo inútil, não há remédio, é mesmo o tédio.


A canção do tédio


Anda uma estrela pelo céu,
sozinha, arrastando um véu
de viúva.
- É a chuva.

Rola um soluço leve no ar,
bem longe no seu rolar,
bem lento.
- É o vento.

Perpassa o passo oco de algum
fantasma, quieto como um
segredo.
- É o medo.

Batem à porta. Abro. Quem é?
Uma alta sombra, de pé,
se eleva.
- É a treva.

Mas, desde então alguém está
comigo. É inútil. Não há.
remédio.
- É o tédio.

Guilherme de Almeida
(1890-1969)

Mais sobre Guilherme de Almeida em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Guilherme_de_Almeida

Um comentário:

Jac. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.