terça-feira, maio 06, 2008

Longe de ti, o mundo avança e o tempo cai. E eu penso em ti, só penso em ti, só vivo em ti como um perdido. E não respiro nem me aquieto longe de ti.


Longe de Ti


O mundo avança
O tempo cai
Pesado, grávido, maduro,
E eu penso em ti.
A guerra, enfim, o seu mistério
Revela e aclara.
A onda cresce
E eu penso em ti.
A aspiração sempre contida
Desaba enfim violenta e grave,
E se transforma em força imensa
E eu penso em ti.
Como integrar-me nesta luta
E interpretar o mundo virgem
Se penso em ti?
Se em ti me abismo, em teu mistério,
No teu destino brusco e triste,
Se vivo a angústia, o desespero
Da tua ausência?
Se o auxílio teu é meu destino,
Como sentir a dor do tempo,
Como cantar o tempo novo,
As energias e os avanços,
As libertárias esperanças,
Se em tal prisão me tens sujeito,
Se vivo em ti, como um perdido,
Se não respiro, nem me aquieto
Longe de ti?

Augusto Frederico Schmidt
(1906-1995)

Mais sobre Augusto Frederico Schmidt em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Augusto_Frederico_Schmidt

2 comentários:

Jac. disse...

Ah! quanto ciúme da mulher que tu amas, poeta...

Jac. disse...

Só para esclarecer que Augusto
Frederico Schmidt, é a pessoa
a quem se destina o comentário
anterior. A mulher desse grande
poeta, foi muito e verdadeiramente
amada! E isso é lindo! É raro!