quinta-feira, abril 24, 2008

Sou o tempo que passa, sem princípio, sem fim, sem medida. Vou levando a Ventura e a Desgraça, as saudades da vida, com tristeza diz Olavo Bilac.


O Tempo

Sou o tempo que passa, que passa
Sem princípio, sem fim, sem medida
Vou levando a Ventura e a Desgraça,
Vou levando as vaidades da Vida

A correr, de segundo em segundo
Vou
formando os minutos que correm...
Formo as horas que passam no mundo,
Formo os anos que nascem e morrem.

Ninguém pode evitar os meus danos...
Vou correndo sereno e constante:
Desse modo, de cem em cem anos,
Formo um século e passo adiante.

Trabalhai, porque a vida é pequena
E não há para o tempo demora!
Não gasteis os minutos sem pena!
Não façais pouco caso das horas!

Olavo Bilac
(1865-1918)

Mais sobre Olavo Bilac em

2 comentários:

Jacque,Queline,Line... disse...

Amei!!!! meu pai falou neste poema... ai eu so pesquisei e logo achei.
muito lindo e criativo!
Parabéns Olavo Bilac!
Você fez uma linda obra!

Ass:Jacqueline Macedo

maria das dores disse...

EU APRENDI ESTA POESIA DE OLAVO BILA QUANDO EU TINHA UNS 10 ANOS NUCA MAIS EU ESQUECI SEMPRE ESTOU DECLAMANDO EM EVENTOS E AS PESSOAS ADORAM ACHAM MUITO BONITA ELA É VERDADEIRA . EU AMO ESTA POESIA POIS ELA RETRATA O TEMPO QUE ACONTECE NAS NOSSAS VIDAS QUANDO O TEMPO PASSA PARA TODOS NÓS.EU SOU A DORINHA PROFESSORA APOSENTADA DA CIDADE DE CAMPINAS