sexta-feira, abril 25, 2008

Longe andava o meu olhar, longe andava. E por trás dos muros do tempo, as pessoas que eu amava, amaram-se entre si, diz um sofrido Mario Quintana.

Mario Quintana, em "Canção do fundo do tempo", por ele mesmo.


Link para fazer o download do poema em mp3 no canal do Poemblog no Divshare:
http://www.divshare.com/download/4346268-948

Canção do fundo do tempo

Longe andava o meu olhar.
Longe andava...
Creio que jamais te vi...
Linda corça enrodilhada
À espera do sacrifício,
Parece que te vejo agora
Só agora!
Levemente desenhada
Nos móveis biombos do tempo
Feitos de água e de gaze...
Ah! se eu pudessse jogar-me
Às águas que já passaram,
Decerto que morreria
Ou ficaria mais louco
Do que os anjos rebelados:
Ninguém quebra a lei do tempo,
Basta os cabelos de mortos
Que se enroscam em meus dedos,
Basta as vozes tão amadas
Que me chamam de tão longe...
Ah, decerto que eu morreria,
Se é que já não morri!
Longe andava o meu olhar.
Longe andava...
Por trás dos muros do tempo,
As pessoas que eu amava
Amaram-se entre si.

Mario Quintana
(1906-1994)

Mario Quintana em
http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Quintana

Um comentário:

Jac disse...

Quintana, parece que também te vejo agora. Só agora! Sempre li os teus poemas,mas de repente vc cresce, fica maior! Lindo!!!