sexta-feira, janeiro 02, 2009

Canção do primeiro do ano, um dos mais belos poemas de Mario Quintana. E levada pelos sinos, toda ventando de sinos, dança a cidade no ar.


Canção do primeiro do ano


Anjos varriam morcegos
Até jogá-los no mar.

Outros pintavam de azul,
De azul e de verde-mar,
Vassouras de feiticeiras,
Desbotadas tabuletas,
Velhos letreiros de bar.

Era uma carta amorosa?
Ou uma rosa que abrira?
Mas a mão correra ansiosa
- Ó sinos, mais devagar! -
À janela azul e rosa,
Abrindo-a de par em par.

Ó banho de luz, tão puro,
Na paisagem familiar:
Meu chão, meu poste, meu muro,
Meu telhado e a minha nuvem,
Tudo bem no seu lugar.

E os sinos dançam no ar.
De casa a casa, os beirais,
- Para lá e para cá -
Trocam recados de asas,
Riscando sustos no ar.

Silêncios. Sinos. Apelos. Sinos.
E sinos. Sinos. E sinos. Sinos.
Pregoeiros. Sinos. Risadas. Sinos.
E levada pelos sinos,
Toda ventando de sinos,
Dança a cidade no ar!

Mario Quintana
(1906-1994)

Mais sobew Mario Quintana em
http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Quintana

2 comentários:

Thiago disse...

O que dizer de Mário Quintana? ele é sensacional

Luzis disse...

a dança das palavras, das idéias, dos versos, das rimas....nos faz mais alegres, leves, soltos, dando liberdade aos nossos pensamentos e sentimentos, como se estivéssemos num salão de baile cuja orquestra a animar a festa da vida, fosse tocada por Mário Quintana e o nosso parceiro de dança fosse a felicidade! Adorei!!!!!