sábado, fevereiro 07, 2009

Eugénio de Andrade a queria muito, muito mesmo. Ainda mais se ela fosse canção breve, chama pura.


Variações em tom menor


Para jardim te queria.
Te queria para gume
ou o frio das espadas.
Te queria para lume.
Para orvalho te queria
sobre as horas transtornadas.

Para a boca te queria.
Te queria para entrar
e partir pela cintura.
Para barco te queria.
Te queria para ser
canção breve, chama pura.

Eugénio de Andrade
(1923-2005)

Mais sobre Eugénio de Andrade em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Eug%C3%A9nio_de_Andrade

Um comentário:

Rachel disse...

Ah! Que ternura...rs