terça-feira, julho 05, 2011

Sutil, intuitiva, ela é grande e miserável. E Murilo Mendes sente que o orgulho dela só é igual à sua timidez.



A desejada

Sutil, intuitiva, és grande e miserável.
Teu orgulho só é igual à tua timidez.

Eu te veria num convento espanhol
Onde se dance: castanholas em homenagem ao Senhor;
Através do parlatório
Apunhalando os aficionados
Com esses olhos retraídos e lascivos.
Teus dentes afiados, vivos,
Profanaram as hóstias..
Ornamento essencial,
Pela tua finura não pertences a este mundo:
E nunca te entregarás de todo.
Pensas entrentanto dia e noite
No amor definitivo
Que até hoje não te foi anunciado.
Entre tua essência íntima e teu destino
O drama se desenrola.

Elemento de grandeza,
Enfim conseguistes me alterar.
Não passarei em vão pela tua grade.
Celebro teu encanto cruel,
Tua arte de dissimular,
Teu espírito e finura
- Ó tranquila perturbadora -,
Essa coreografia felina,
Tudo que amo com lucidez,
Tudo que outros vão arrebatar,
Mutilando a golpes implacáveis,
Desfazer em pedaços -
E que a piedosa poesia
Reconstitui antecipadamente.

Murilo Mendes
(1901-1975 )

Mais sobre Murilo Mendes em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Murilo_Mendes



4 comentários:

VerMent* disse...

Muito obrigada por essa!

Rita Andrea disse...

É maravilhosa!

Edu Lazaro disse...

Admirável!

Liana disse...

Muito obrigada por essa 2!